Natura anuncia compra da Avon e se torna quarta maior empresa do setor de cosméticos

A Natura anunciou, nesta quarta-feira (22), a compra das operações da empresa americana de produtos de beleza Avon. Combinadas, as duas empresas formam o quarto maior grupo exclusivo de beleza no mundo, informaram em comunicado nesta quarta-feira (22). Com o anúncio, os papéis da companhia brasileira subiram 9,43% durante o dia.

A companhia espera que a combinação dos negócios resulte em sinergias estimadas entre US$ 150 milhões e US$ 250 milhões anuais que serão parcialmente reinvestidos na companhia para aumentar sua participação nos canais digitais e mídias sociais, em pesquisa e desenvolvimento, iniciativas de marca e expansão da presença geográfica do grupo.

Segundo disse em nota para a imprensa Roberto Marques, presidente executivo do Conselho da Natura, a aquisição significa um passo para construir um grupo global e multimarcas.

“Juntos, aprimoraremos nossas crescentes capacidades digitais, nossa rede social de Consultoras e Representantes e alavancaremos nossa presença global de lojas e marcas diferenciadas, conectando e influenciando milhões de consumidores com diferentes perfis diariamente, tornando nosso grupo único.”

Mirando essa internacionalização, a Natura já havia adquirido as marcas internacionais Aesop, em 2013, e The Body Shop, em 2017.

Segundo dados da consultoria Euromonitor, a Natura é a maior empresa em participação de seu segmento de mercado no Brasil, com 11,9% das vendas do setor de beleza e cuidados pessoais. A Avon ocupa a 7ª posição, com 4,7% das vendas.

Globalmente, Natura tem 1,4% do mercado e Avon 1,2%, informa a consultoria. Segundo a Euromonitor, em termos de participação de mercado, o setor é liderado pela francesa L’Oréal, seguida pela Procter & Gamble e pela Unilever.

Analistas aprovam troca de ações

 O receio de investidores era de que a compra poderia comprometer a dívida da companhia brasileira. Ao fim de 2018, o déficit da companhia era de 2,71 vezes o Ebitda.

— O modelo de transação por ações pode gerar bastante valor por não ter alavancagem financeira. Nas outras aquisições, a Natura teve solavancos no caixa porque desembolsou grandes valores —afirma Luis Gustavo Pereira, estrategista-chefe da Guide Investimentos.

— O negócio só poderia ser melhor se a compra da Avon fosse mais barata e o dólar estivesse mais baixo — diz Pereira. Nesta sexta, o dólar está cotado a R$ 4,04.

— A Avon passou por tempos difíceis em todos os seus principais mercados e pode precisar de investimentos para revitalizar suas operações em todo o mundo, ao mesmo tempo em que a Natura têm que manter o seu plano de reestruturação em curso para a marca The Body Shop — afirma Henara Matache, analista do Brasil Plural.

Neste ano, a Natura adquiriu a operação da inglesa The Body Shop na América Latina. 

Apesar disso, Matache afirmou em nota a clientes que as sinergias que podem resultar da combinação das duas empresas “devem superar o lado negativo dos investimentos necessários e contribuir diretamente com o objetivo maior da companhia de se tornar uma marca verdadeiramente global”.

Valores da transação

Os acionistas da Natura ficarão com 76% da companhia combinada — Natura Holding, formada após a transação — enquanto os acionistas da Avon terão aproximadamente 24%.  Com base nos preços de fechamento de 21 de maio, a transação avalia o valor da Avon em US$ 3,7 bilhões — R$ 14,9 bilhões, de acordo com a cotação do dia.

Facebook Comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *